para acompanhar os novos posts vá ao (novo) Bate Estacas na Blogger aqui


Sexta-feira, 7 de Maio de 2010

podes ser doador?

Olhão, 7 de Maio de 2010

Redirecciono porque não podendo fazer mais ficava mal comigo.

da  

Ajuda com carinho se puderes basta reencaminhares pelo menos este e-mail

 

Um abraço

URGENTE:

 

 

 

Ana Patrícia Ribeiro Fernandes, de 4 anos, reside em Murça Trás-os-Montes, está neste momento internada no IPO do Porto e precisa urgentemente de encontrar um doador de medula.

Para tipagem de doador dirijam-se ao Hospital Polido Valente ou ao Centro de Histocompatibilidade do Porto no Hospital de S.João de segunda a quinta das 8h ás 16h e sextas das 8h ás 15h.
 
Vamos tentar ajudar a encontrar um doador compatível. Se não puderes ser doador basta passares esta mensagem ao maior número de pessoas possível.
Obrigada!
   

publicado por Raul Coelho às 19:05
link | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Abril de 2010

Câmara de Olhão em rearranjo

Olhão, 6 de Abril de 2010

A Vereadora Margarida Leal sai da Câmara para vice-presidente da CCDR-Algarve, tudo indica que será o eleito a seguir, da lista do PS, a ser chamado para a edilidade, o professor, António Humberto Camacho dos Santos.

A Sra. Margarida Leal esteve neste mandato autárquico, cinco meses, como entretém de passagem para um lugar com responsabilidades no Algarve na administração do Ambiente, é uma área em que não é virgem, atenda-se aos actuais pelouros e aos do anterior mandato, em que a Câmara de Olhão teve e tem uma política e comportamento de depredador ambiental de que são exemplos paradigmáticos a lixeira camarária ilegal que mantém em Quelfes, as ligações de efluentes não tratados ou não convenientemente tratados lançados para a Ria Formosa e os aterros com destruição da Reserva Ecológica concelhia.

Agora na CCDR-A, ou muito engana, o que vai ser de esperar é confirmar a institucionalização da mesma política, agora, para todo o Algarve, tanto mais que a recém-escolhida tem uma visão muito original do que é a transparência, como mostrou como vereadora de coro ao Presidente F. Leal, e ainda, recentemente deu uma prova catedrática, quando lhe é perguntado à segunda vez pela opinião de vereadora pela não existência de Plano Municipal de Emergência Civil em Olhão, responde, que não responde porque não é matéria de interesse para os cidadãos munícipes.

Toma-te lá que é para aprender.

Do novo vereador, António  Camacho, não conheço, mas dizem os que o conhecem, é um afinado (obs.: não se leia afilhado) do capo caciqueiro.

por temas:
publicado por Raul Coelho às 16:48
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Abril de 2010

podia mas não foi

Olhão, 1 de Abril de 2010

Poderia ter sido diferente

o desenvolvimento urbanístico de Olhão nesta zona assim como o enquadramento paisagístico do antigo Dispensário.

Mas não foi.

na actualidade
há 48 anos atrás, do arquivo da APOS 
publicado por Raul Coelho às 19:50
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 27 de Março de 2010

À Junta de Freguesia de Olhão

Olhão, 27 de Março de 2010

Exma. Sra. Dra. Gracinda Rendeiro, Presidenta da Junta de Freguesia de Olhão, queira receber os meus cumprimentos e votos para que lhe esteja a decorrer pessoalmente o novo exercício do seu mandato autárquico ao seu desejo, que certamente desejará que corresponda ao que os fregueses esperam.

Tive uma visão, um sonho, que não poderei deixar de partilhar com a senhora e que desde já estou ousadamente convencido que ficará agradada como eu fiquei, ou não fossemos olhanenses amantes do nosso Olhão.

Numa recente reunião, em que numa representação do Somos Olhão! lhe fomos pedir a disponibilização de um espaço para as nossas reuniões associativas, fiquei a conhecer carências que a Sra. deixou transparecer com que a Junta também se debate: falta de receitas, até é a única Junta do Concelho que não cobra com os mortos, pois não tem cemitério; e também de espaço, em que até os cursos de formação que organiza tem de ser ministrados nos corredores atafulhados da sede.

Se para o cemitério não sonhei solução, para o espaço encontrei-o mesmo a lado da actual Sede da Junta, no edifício do antigo Grémio das Conservas.

 

Edifício à espera do camartelo e espaço pelo betão em altura, que outra coisa não vê o seu compincha presidente camarário, mas que é indissociável da memória dos tempos em que a indústria de conservas movia e os seus donos mandavam em Olhão.

Ocupa uma área considerável que a gula  imobiliária não vai deixar incólume, com esta crise marafada, não dá para agora as aventuras especulativas, mas como não vai ser eterna é só aguardar.

 

clique na imagem para ver mapa

Estou a ver a Sede da Junta e uns anexos mais aquilo que ainda não houve coragem de ser assumido com vontade, não digo já um Museu, mas pelo menos, um Núcleo Museológico da Indústria Conserveira, tanto mais que a amostra existente no Chalé João Lúcio foi despejado para escritório da Sra. Valentina Calixto, onde pudesse estar vivamente reunidos os artefactos, equipamentos e tudo o mais ilustrativo desta actividade económica que com a pesca estão na base da criação e desenvolvimento de Olhão até um passado ainda recente.

Não consegui “visualizar” quem estava à frente da concretização deste sonho, mas pelo que vejo nos actuais figurantes autárquicos a Sra. tinha um papel importante.

Queira aceitar as minhas desculpas se por acaso expectei mais do que aquilo que a Sra. ousa.

publicado por Raul Coelho às 11:39
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 24 de Março de 2010

Os Mercados de Olhão – Exposição

Olhão, 24 de Março de 2010

Está, no Museu Municipal de Olhão, aberta ao público até 15 de Maio uma exposição documental da responsabilidade do Arquivo Histórico Municipal, é pequena que chegue para uma sala mas chega para dar uma ideia da génese imediata da edificação deste conjunto arquitectónico emblemático da cidade.

 

 

Uma lição de transparência no tempo em que era presidente da Câmara José Maria da Pádua e que o actual, Francisco Leal não consegue já aprender.

Era no dia 15 de Outubro do Ano de Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo 1865 que estando nos Paços do Concelho o já citado José da Pádua mais três Vereadores “foi ordenado ao Porteiro, à altura um tal António Pedro Ruiz que pusesse em praça pública a construção da obra do Telheiro da nova praça do peixe . . . a quem a quisesse fazer mais em conta po modo mais vantajoso para o Municipio .  . . e dando logo o dito Porteiro execução a este madato, andando rua abaixo e rua acima apregoando alto e bom som e recebendo . . .” e foi João Batista Pepe oficial de Pedreiro desta mesma Vila que ficou com a obra por dois contos duzentos e cinquenta mil reis a executar até 31 de Julho do ano seguinte.

Hoje as obras da Câmara, de um modo geral, são decididas pelo presidente com entrega da execução ao amigalhaço engenheiro chamado a concurso para consulta à melhor repartição do orçamento pelos figurantes processuais, tudo, dispensando os bons ofícios publicitários do Porteiro.

Este Telheiro de 1865 ainda não foi o que deu origem aos edifícios dos actuais Mercados, estes arrancaram em 1912 segundo o traço da responsabilidade do farense José Lopes Rosário, Construtor de Obras Públicas e seguidor das modernices da época, com a utilização do ferro.

Os edifícios um para o peixe outro para as verduras foram construídos em terreno já então roubado à Ria, à Praia do Canal de Olhão, para dar consolidação à construção recorreu-se a “forma particular e curiosa, na medida em cada uma delas está apoiada em 88 estacas ligadas entre si por arcos de alvenaria de tijolo. O processo de fixação das estacas foi de tal forma avançado para a época que ficou na memória da população.”

Ainda hoje há por ali o Bate Estacas.

publicado por Raul Coelho às 19:49
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 20 de Março de 2010

Água vai

Olhão, 20 de Março de 2010

Num ano que tem sido excepcionalmente chuvoso nos últimos decénios não é fácil estar a chamar a atenção para o desperdício da água, mas é isso mesmo que o Somos Olhão ! vai fazer esta tarde no Auditório da Praceta Agadir em Olhão.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 09:24
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 10 de Março de 2010

A Ria Formosa é candidata final a uma das 7 Maravilhas Naturais

Olhão, 10 de Março de 2010

 “Olhão é um concelho que, entre outras actividades, vive de e para a Ria e fá-lo com o cuidado e a atenção que tal zona protegida merece.” , assim fala Francisco Leal na sua Quinta do Correio da Manhã, assim faz o mesmo Francisco. 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 07:35
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 7 de Março de 2010

uma proposta com valor para Olhão

Olhão, 7 de Março de 2010

Consta na Proposta do BE para o PIDDAC 2010 – Algarve a

 

Independentemente de vir ou não a ser contemplada no Orçamento de Estado é uma proposta que deve merecer toda a atenção da autarquia de Olhão, é mais uma do activo e activista freguês de Quelfes, Sérgio Miguel.
Para além do valor como um equipamento inexistente para a juventude em Olhão trás ainda as mais valias de permitir requalificar um edifício, o ex-Ria Sol que já foi a Estalagem Caíque, a avançar rapidamente para a degradação sem que a nova função traga para a zona acréscimo de trânsito automóvel

 

A Sociedade de Reabilitação Urbana de Olhão tem uma palavra importante e o seu líder, o vereador Carlos Martins uma oportunidade para mostrar que sabe mais que fazer cimento e levantar tijolo.

 

publicado por Raul Coelho às 16:54
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 6 de Março de 2010

Olhão sem Plano de Protecção Civil

Olhão, 6 de Março de 2010

 

Um sismo de magnitude 3.9 graus na escala de Richter foi registado na tarde de ontem a sul do Algarve , do Correio da Manhã de hoje, dia 6.
Quedas de chuva torrencial, ciclones, sismos, etc. são fenómenos tão naturais como a existência do Homem no planeta Terra.
Catástrofe há quando os homens e os seus bens são atingidos.
Em poucas semanas, duas catástrofes, primeiro no Haiti depois no Chile pelo número de vítimas e outra mais próximo, na Madeira, nos mostraram as nossas fragilidades, a do homem, perante a natureza da Natureza.
Fragilidades agravadas por culpa do dos homens, com consequências em número de vítimas mortais, como no caso da Madeira com responsáveis que foram atempadamente alertados. O que aconteceu no passado dia 20 foi apresentado em antevisão num programa televisivo, onde técnicos do ambiente e do ordenamento apresentaram as preocupações que vinham manifestando há muito.    

Estes fenómenos quando acontecem, com seus efeitos de destruição, em vitimas humanas, mortais e situação física, dos bens, e da organização económico-social, são a catástrofe que pode ser multiplicada por a própria sociedade político-administrativa não estar preparada para responder a estas situações.

Os Planos Municipais de Emergência de Protecção Cível, são o instrumento legislativo que organizam e criam os meios e procedimentos para resposta a estas situações a nível de concelho e em Olhão, a Câmara não o tem.
Já passam meses que o presidente da Câmara o deveria ter apresentado para aprovação, já foi questionado , como é hábito não respondeu e continua a não haver Plano, numa assunção despudoradamente criminosa e irresponsável da dimensão que qualquer situação de gravidade pode trazer e a que a restante vereação não fica de lado.
Olhão e os seus habitantes não estão protegidos com estes autarcas e a natureza anda por aí á solta, como é visível aqui na Fuzeta.
por temas:
publicado por Raul Coelho às 10:00
link | comentar | favorito
Domingo, 14 de Fevereiro de 2010

mesmo sem apoios há actividade cultural independente em Olhão

as próximas Conferências da APOS

por temas:
publicado por Raul Coelho às 20:05
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

Um programa para o Somos Olhão! neste ano de 2010

Olhão, 13 de Janeiro de 2010

No próximo dia 19 o SO! vai realizar maislink  uma Assembleia Geral, agora para eleger os

órgãos directivos e aprovação do Regulamento Interno, um complemento aos Estatutos.

Para a Direcção irá ser proposta uma lista com os membros possíveis mas ainda sem um programa de actividades para o tempo que vai ser eleita, com umas ideias gerais, as do objectivo da associação e umas acções de continuidade do tempo em que era uma organização informal.
Será a consequência de ainda uma falta de cultura mais generalizada de exercício de cidadania por um número suficiente de cidadãos donde possam surgir mais disponíveis para a actividade associativa.
Tudo leva a crer que serei eleito, e, em jeito de campanha eleitoral apresento aos leitores aquilo que vou defender, em linhas gerais, algumas actividades a apresentar para serem desenvolvidas neste próximo ano, e para as quais convido e apelo a quem estiver de acordo que dê o seu apoio, tornando-se membrolink  do Somos Olhão, associando-se ou oferecendo
a sua colaboração.
 A divulgação com os meios materiais e físicos disponíveis e a obter, de forma a atingir os mais vastos sectores dos cidadãos munícipes do concelho, dos objectivos de cidadania do SO! . da sua actividade e princípios a que deve obedecer uma administração local e nacional transparente.
A obtenção, por cedência e disponibilização de instalações autárquicas para que os cidadãos, as suas associações cívicas, culturais, ambientais e outras de persecução de interesses gerais e colectivas possam fazer as suas reuniões em condições logísticas suficientes e de um modo geram à disposição da comunidade concelhia.
Desenvolvimento de acções que levem à criação de uma opinião pública exigente, favorável à aprovação e adopção pelas autoridades autárquicas de: Planos Municipais de Emergência e de Prevenção de Riscos de Corrupção, actualizados e eficazes; consultas públicas obrigatórias e a outras cuja opinião dos cidadãos deva ser ouvida, com particular atenção à da Zona Histórica de Olhão e à da Frente Ribeirinha de Olhão; revisão do Plano de Pormenor da UOP2, vulgo Quinta de Marim, com sua adaptação ao PDM revisto e à versão actual do Protal, consignando tratamento adequado à salvaguardando as condicionantes ambientais, a protecção do património arqueológico local, a criação de espaços colectivos de fruição pública de lazer e culturais; defesa da qualidade ambiental com uma vigilância permanente aos atentados nesta matéria, com destaque para os atentados permanentes na Ria Formosa, onde as entidades oficiais são os maiores poluidores com a manutenção em funcionamento de Etares obsoletas e com responsabilidade em descargas directas, defendendo claramente a uma qualidade de água na Ria compatível com a certificação de qualidade dos frutos extraídos; para a categorização do Cerro da Cabeça como Geomonumento para que este monumento natural link fique mais protegido do devaneio urbanístico actualmente
consentido; participação, queixa e denúncia às entidades de tutela e judiciais das violações no ordenamento do Concelho, ao PDM, ao Protal e a outra legislação que não é atendida mas desrespeitada pela Câmara.
Já é muito para as forças actuais do SO!, mas confio que elas vão crescer com a sua adesão a este projecto.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 07:51
link | comentar | favorito
Sábado, 26 de Dezembro de 2009

um espaço verde que fazia falta

Olhão, 26 de Dezembro de 2009

 A Câmara de Olhão fez sair o númerolink  de Dezembro do info.olhão, órgão de divulgação

das vaidades presidenciais e propaganda do acidentalmente feito e das promessas que convém serem feitas para que eventualmente possam acontecer.
Aparece o anúncio de um novo jardim público para o local onde eram os viveiros camarários à direita no topo norte da Av. da República, muito bem, a actual utilização não faz sentido no local e Olhão carece de espaços verdes lúdico ocupacionais, públicos. A política da Câmara tem sido a da betonização privada dos espaços que pelo PDM seriam públicos, em que o exemplo destalink imagem é só um de entre muitos.
E mais uma vez, os olhanenses não foram chamados a pronunciarem-se
Aliás em 2008, quando da consulta pública aos termos do PP da Zona Histórica de Olhão, chamavalink  a atenção da necessidade de incluir este espaço, agora objecto de requalificação,
na zona de protecção à Biblioteca Municipal.
clik na imagem para amplia
O que é de preocupar é o medo da poluição sonora, conforme se lê num fragmento do texto que acompanha a informação “Como este espaço se encontra perto da linha ferroviária, será criada uma barreira acústica através da implementação de grande variedade de vegetação na zona Norte do jardim, uma forma de conter a poluição sonora.”
No local a circulação ferroviária é feita com os motores em slow e o número de composições com circulação diária contam-se pelos dedos de uma só mão, receio que a grande variedade de vegetação, para,  conter a poluição sonora não venha a ser, antes, uma barreira às vistas da e para Biblioteca.
Confinante, está a situação terceiro-mundista, que não é resolvida e documentada neste vídeo
  

   

por temas:
publicado por Raul Coelho às 18:02
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2009

redistribuo

Olhão, 24 de Dezembro de 2009

Estamos numa época do ano em que todos formulam votos e dão ofertas.

Eu também, desejo umas Boas Festas para todos e também para todos vou partilhar a oferta que a APOS deu aos seus associados.

Até calha bem porque o tempo não está convidativo para sair de casa e sempre podemos ver alguns vídeos sobre Olhão pouco conhecidos. 

Associação de Valorização do Património Cultural e Ambiental de Olhão

por temas:
publicado por Raul Coelho às 17:10
link | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009

Oposição demarca-se e propõe

Olhão, 22 de Dezembro de 2009

 

Francisco Leal vai ter na próxima reunião camarária, amanhã 23, o confronto com propostas para o executivo que não vai gostar e fará tudo para evitar que sejam discutidas.
O vereador do BE, João Pereira, vai apresentar o que denomina por PROPOSTA 01/09 link
com que pretende que seja tomada uma medida sobre o ordenamento com implicações a médio prazo no aumento de oferta da habitação social em Olhão e reflexos no aumento do emprego no concelho.
Foi dado a conhecer a pergunta que fiz a todos os vereadores a propósito doutro assunto que pode ser acompanhado aqui link, foi o único que respondeu, se bem que parcialmente, até
ao momento mas que mostra uma nova postura de entre a vereação relativamente aos cidadãos.
Independentemente do valor do proposto para atingir os objectivos que pretende, o aparecimento desta proposta alternativa, alternativa ao deixa andar, que o F. Leal nesta matéria não tem nada a propor, é um sinal que há quem queira que a situação de indigência de soluções para os problemas que afectam Olhão seja ultrapassada.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 10:59
link | comentar | favorito
Domingo, 20 de Dezembro de 2009

Somos Olhão! Em catalepsia?

Olhão, 20 de Dezembro de 2009

 

É de percepção geral que nos últimos meses o Somos Olhão! não tem tido actividade, que deixou de ter uma presença interventiva no que se vai passando em matéria do pensar e agir da comunidade olhanense no campo dos direitos cívicos e de cidadania.
É próprio de tudo o que tem vida ter altos e baixos, períodos de maior e menor actividade, as sociedades e as associações dos homens também tem esses altos e baixos, o SO! não poderia estar isento desse “fado”.
Quando do aparecimento do SO! vivia-se em Olhão um clima medo cagádo e de aceitação servilista perante o nepotismo caciqueiro instituído em Olhão, pelo presidente da Câmara que até à própria oposição na edilidade lhe era devida completa obediência, conseguiu juntar inicialmente umas poucas vozes discordantes que romperam o anonimato clandestino: A. Paula Brito da associação APOS, que já anteriormente se vinha distinguindo com propostas alternativas às do cacicado instalado, como no Projecto para a Zona Histórica de Olhão, no Plano de Pormenor da Quinta de Marim e na Discussão Pública da Zona Histórica entre outras; o líder do PCP local, José Castanheira, a ovelha tresmalhada do PSD, Lourenço Mendonça e dois (2) cidadãos livres e independentes de quaisquer interesses pessoais, materiais instalados ou organizados. A estes juntaram-se uns, poucos, outros.
Neste grupo díspare, as eleições autárquicas deixaram sequelas, inevitáveis, perante os interesses partidários que se elevaram e que o SO! não poderia satisfazer para manter a sua independência, a defesa da cidadania e dos cidadãos indiferentemente da cor do partido. Os acordos passaram a ser impossíveis e a actividade paralisou.
As razões que levaram ao aparecimento do SO! continuam, a falta de transparência na condução da gestão camarária mantêm-se, não é prestada informação sobre como é administrada a coisa pública, independentemente de agora haver vereadores que possam destoar da orquestra residente.
O SO!, tanto mais que como associação é uma realidadelink , pode, ainda fazer muito, os seus
associados tem é que resolver o que querem fazer, debatendo e acordarem  nisso, se não é um já foi.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 11:24
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 19 de Dezembro de 2009

Orçamento rectificativo ou branqueador

Olhão, 19 de Dezembro de 2009

 

É no próximo dia 22 que se vai reunir a Assembleia Municipal para uma segunda tentativa para aprovação do Orçamento rectificativo de 2009.
É já a segunda tentativa do segundo rectificativo do último ano do mandato desta trapalhona e biscateira Câmara.
Os contabilistas camarários não conseguem acertar com a colunas do deve e haver e por cada instrução de lançamento que o presidente Leal dá, maior é o buraco que logo aparece.
O mal reside logo no Orçamento que é feito com a maré do dia do edil-mor  e executado ao sabor das ondas que lhe vão passando pela cabeça.
Não é elaborado de acordo com um projecto honesto, de futuro, de desenvolvimento sustentado, mas como um depósito de verbas em rubricas que conforme os apertos e os estados da disposição do momento vão saltando de um lugar par outro. Mas também serve para branquear muita despesa sem cabimento fugida do deve do partido socialista. É uma trapalhada.
E feito por biscateiros, se fossem profissionais que cumprissem com os códigos de conduta não alinhavam na batotice geral instalada.
Mas no concelho também aparecem propostas de sentido contrário.
Sérgio Miguel, deputado pelo BE na Assembleia de Freguesia de Quelfes apresentoulink  uma
proposta para elaboração de um Orçamento participativo, onde os fregueses quelvenses possam dar o seu contributo na sua elaboração.
Independentemente do resultado da decisão da Assembleia é já um sinal que uma nova visão de administração da coisa pública começa a surgir em Olhão mesmo que timidamente.
O destino honesto das contas camarárias só pode ser o de uma auditoria completa, o resto é branqueamento de uma chafurdice em que os mais simples suportes das despesas são ocultadoslink  á consulta pública.
Quais foram os candidatos que nas últimas eleições falaram em auditoria? Quem se lembra?

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 09:02
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

A cambada mantém-se

Olhão, 18 de Dezembro de 2009

 

As eleições trouxerem para a Câmara de Olhão quatro novos membros, de sete com o Presidente incluído, no entanto passados mais de sessenta dias o que se pode constatar é que continua tudo no mesmo em matéria de transparência, os munícipes continuam a não ser considerados, continuam a não contar, nem mesmo os vereadores da oposição conseguem desembaraçar-se de teia caciquista montada por Francisco Leal.
Na nova vereação estão dois ex-candidatos a presidente de Câmara que na campanha eleitoral fartaram-se de prometer uma conduta transparente para a autarquia e que com eles seria diferente, como vereadores não está a ser e se qualquer deles tivesse sido eleito presidente, demonstrado começa a estar, seria bem pior que o actual, não tem qualquer conhecimento do cargo que ocupam e ainda menos são as perspectivas do que podem fazer no cargo.
Foi mais uma caça despudorada ao voto.
Que a política anterior, seguida por F. Leal, de não fornecer a informação sobre a gestão dos negócios público camarários já não tenho dúvidas e que a nova vereação, todos os vereadores, da situação e oposição, alinham pelo memo diapasão estou a ficar convencido.
Pedilink  a 25 de Novembro informações e consulta a documentos que deveriam ser acesso  
público, a Lei assim o diz, passou o tempo estipulado para resposta e o Presidente da Câmara a manter o mesmo silencia propiciador a que se coloquem todas as dúvidas sobre a legalidade e até mesmo hipotética situação de corrupção à volta dos assuntos que quer esconder.
Mas os vereadores, todos, tiveram conhecimento do pedido, assim como da ausêncialink  de  
resposta e, mesmo avisados olimpicamente pactuam com a sonegação da informação.
As informações e o respectivo acesso e consulta que fiz não sobre dados pessoais ou segredo de Estado que esteja protegido por algum segredo mais alto sobre algum corrupto em algum organismo, como é moda agora asilarem, é tão só sobre umas terraplanagens e início de umas construções à beira da água da Ria Formosa na Fuseta, no seguimento do tallink  condomínio fechado já  motivo de várias queixas e sobre o atulhamento de
uma área da Ria a sudoeste do Marina Village, tudo coisa que está aos olhos de todos mas que ninguém responsável quer explicar o que é.
Vassoura precisa-se.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 15:47
link | comentar | favorito
Domingo, 6 de Dezembro de 2009

Programador para o Auditório Municipal procura-se

Olhão, 6 de Dezembro de 2009

Ainda é em Março próximo que o Auditório Municipal de Olhão irá fazer um ano de inaugurado, mas já procura “novo programador”, conforme a imprensa tem vindolink a 
anunciar.
Graça Cunha, regressa à E. M. do Teatro Municipal de Faro, depois de ter estado pouco mais de seis meses como responsável pelo Departamento Educação, Cultura, Desporto e Acção Social na Câmara de Olhão e com a direcção e programação do Auditório Municipal.
Sem conhecer os números, a Câmara também não os deve ter, a opinião generalizada é que nestes poucos meses o Auditório tem sido um vazadouro para milhares de euros saídos dos cofres camarários sem que se anteveja a breve ou a qualquer prazo “o futuro pólo cultural”  de Olhão que F. Leal vaticinavalink.
No geral, até agora o Auditório tem servido como sala de espectáculos a módicos preços para uma elite com duvidosos interesses culturais, veja-se a assistência maioritária.
Uma mina para agentes artísticos com espectáculos pagos a peso de ouro.
Como contributo, como oferta para a criação e exibição cultural e artística, com origem local e regional até agora está esquecido.
O custo benefício para os olhanenses em geral, em matéria de cultura, é só défice acumulado.
Do vereador, novo,  para a cultura dever-se-ia esperar uma nova definição para o papel que o Auditório pode ter.
Eu não acredito.
por temas:
publicado por Raul Coelho às 16:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009

Em Olhão continuam os atentados ambientais e a impunidade mas as denúncias também

Olhão, 26 de Nivemvro de 2009

 

O Programa Biosfera da RTP2, de ontem, exibiu mais uma denúncia de dois dos muitos casos de atentados ambientais em Olhão.
Estes agora noticiados são também violações ao ordenamento, tem responsáveis, mas um deles, é o presidente da Câmara de Olhão, eng. Francisco Leal, pedilink  e dei conhecimento à
restante vereação, para que fossem fornecidas informações sobre o que se está a passar, dele a resposta deve ser a de costume: nada, não responde.
Mas desta vez vamos ver o que é que os novos vereadores tem a dizer.

 

 

 

publicado por Raul Coelho às 15:35
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

Os esclarecimentos que a S. Polis não consegue dar

Olhão, 24 de Novembro de 2009

 

Teve lugar ontem uma Sessão que pretendia ser de Esclarecimento sobre o Polis da Ria Formosa mas que nem criar confusão conseguiu, quando é convencimento geral que não vão resolver nenhum dos problemas, vão é criar mais, num vazadouro de largos milhões de euros.
A Sociedade Polis LRF nesta matéria agiu com duvidosa boa-fé  desde o princípio que foi levantada a questão da Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) ou antes da sua falta.
Em  Julho, depois de saber junto da S. Polis que não tinha sido feito a AAE, o Somos Olhão! apresentou queixa à Comissão Europeialink  e à PGRlink  desta lacuna.
Na mesma altura o ministro do Ambiente Nunes Correia e a presidente da Sociedade Polis desmultiplicavam-se a negarlink  a importância e a necessidade desta Avaliação.
Tardia e a contra-gosto lança a consulta à AAE, porque esta Avaliação deveria ter sido feita “numa fase precoce do processo de decisão, por forma a contribuir para a adopção de soluções sustentáveis” (pág.19 do Relatório Ambiental Preliminarlink ), ie., deveria ter sido
realizada antes de terem sido aprovado e sem vontade porque teve que adiar até á sua aprovação a execução das medidas do Programa Polis.
A realização desta Sessão de Esclarecimento por iniciativa da Sociedade Polis só surgiu por e em respostalink a convite que o SO! lhe fez e à empresa NEMUS, para a realização de uma
outra a ter lugar no passado dia 19, a  qual não iria dirigir e estaria exposta a um terreno desconhecido mas certamente bastante inquisitivo, optando por, para salvar a face de dialogante, jogar em casa, nas instalações do PNRRF.
É um último acto para a legitimação e legalização dos procedimentos para a execução de um programa que não vai resolver os problemas que afectam a Ria, as pessoas que dela vivem, as que dela legitimamente usufruem e ainda lança o tapete para o lançamento da exploração pelos interesses financeiros ligados especulação turístico-imobiliários em troca de uma eventual criação de emprego.
Do que ressalta da documentação da AA, intragável por extensíssima para o cidadão comum e interessado no assunto, é a defesa, de entre as várias , mas incompletas alternativas, da chamada “proactiva” onde a parte substancial dos recursos, 87 milhões de euros, são aplicados na chamada “renaturalização”  tomada por critérios de propriedade do solo e não renaturalização por critérios de sustentabilidade ambiental e uns décimos percentuais, 250 mil euros, no apoio e reconversão das actividades económicas tradicionais da Ria e 0% no tratamento e despoluição dos esgotos e de duvidosas Etars que degradam, a qualidade das águas e a Ria.
Onde o despejo dos proprietários e demolição das casas nas ilhas, é intenção como fim certo e posterior entrega  dos mesmos espaços para exploração por privados escolhidos e protegidos do regime, em vez do seu ordenamento em termos amigos do ambiente para fruição dos naturais e visitantes, com muito ou pouco dinheiro, é o que se pode apanhar do Programa que está a ser objecto de Avaliação.

 

publicado por Raul Coelho às 09:58
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 21 de Novembro de 2009

Alberto Iria, com 100 anos

 

Olhão, 21 de Novembro de 2009
É daqui a oito dias, 28, que a APOSlink vai homenagear Alberto Iria, por ocasião do centenário do seu nascimento.
Vai serlink na Recreativa Olhanense  e para falar dele vão estar para além de representante da Academia de História, o Dr. Teodomiro Neto, o Dr. José António Martins e a Conceição Pires.
 
Alberto Iria, historiador e arquivista é quase um desconhecido em Olhão, como também seriam desconhecidos e estariam esquecidos os acontecimentos de há duzentos anos, em Olhão, contra a ocupação francesa e a importância que tiveram para a criação do concelho se este olhanense não tivesse feito o trabalho de investigação histórica que verteu em várias obras.
 
Foi no seu trabalho que divulgadores, como Antero Nobre, foram colher a documentação histórica revelada para difundir e popularizar uma parte da memória de um passado, se bem que temporalmente ainda recente, que contribuiu para criar uma consciência colectiva de passado nos olhanenses.
Até historiadores recentes, como A. Rosa Mendes, com uma leitura diferente dos factos, é em Alberto Iria que vão buscar informação relevante para alicerçar as teses da predominância do factor povo na revolta anti-napoleónica  e na “sublevação” administrativa e política então face a Faro.
 
Começa às 15 horas e é pública.
publicado por Raul Coelho às 08:14
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

é já muito livro

Olhão, 18 de Novembro de 2009

Gente Singular link  é uma editora, sedeada em Olhão, apareceu há dois anos e tem já um
acervo editorial invejável de autores algarvios e sobre o Algarvel, que dificilmente seria conhecido pelos diferentes públicos se não fosse a sua actividade.
É no próximo sábado que a pretexto do seu aniversário que vai inaugurarlink uma Exposição  
O Algarve em Livro, na Biblioteca Municipal, como não é só satisfazer os espíritos, a GEe também cuida do estômago dos convidados com um lanche.
por temas:
publicado por Raul Coelho às 18:30
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

reuniões quase monocórdicas

Olhão, 18 de Novembro de 2009

Está marcada para hoje uma reunião da Câmara de Olhão, a primeira extraordinária desta vereação, para tratar de um orçamento rectificativo ao de 2009 e para aprovação da proposta a levar à Assembleia Municipal sobre os valores do IMI para 2010. As reuniões deste tipo não são abertas à participação do público.
F. Leal, obteve da vereação (com um voto contra, do vereador do BE) poderes quase absolutos para gerir os destinos da Câmara para este mandato, como já tinha no anterior. E continua a governar sem prestar contas, sem pedir e agora a recusar opinião, nem a permitir que seja questionado sobre pedidos de esclarecimentos dos outros eleitos.
Com uma maioria silenciosa e concordante, três vereadores do PS mais dois do PSD, dos quais um, Alberto Almeida, é mais “amém” que os próprios correligionários, e outro, Abúndio Martins, que como cabeça de lista pela oposição nas eleições como vereador ainda não encontrou boa posição na cadeira, só tem encontrado a discordância e voto contrário do vereador João Pereira, eleito pelo BE, com resultados até agora inconsequentes para além do registo em Acta.
Já faz lembrar a oposição da CDU, na anterior Assembleia Municipal, em que o então deputado municipal, Castanheira, se dava por satisfeito por ficarem lavrados na acta os protestos e votos que apresentava e com os resultados que hoje estão à vista.
F. Leal dá-se ao luxo de levar para as reuniões as actas prontas a serem assinadas com a aprovação por unanimidade.
Se as pessoas não tiverem a informação em tempo útil, a cada momento, do que se vai cozinhando sobre a gestão autárquica não poderão desenvolver interesse na sua participação como munícipes.
De hoje a oito dias, no 25, deverá realizar-se uma reunião ordinária com tempo reservado à participação pública, vamos ver como é que os cidadãos vão, e se vão, confrontar a edilidade com as perguntas que Francisco Leal se escusa a esclarecer.
por temas:
publicado por Raul Coelho às 09:46
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 3 de Novembro de 2009

a seguir os poetas de Olhão

Olhão, 3 de Novembro de 2009

 

O Livro da Casa de Fernando Cabrita ganhou o Prémio Nacional de Poesia Mário Viegas 2008, no lançamento foi apresentado em Olhão a 18 de Setembro no Auditório Municipal, a 7  que vem é no Centro Cultural Regional de Santarémlink, quem o apresenta é Arnaldo Matos,   a Teresa Rita Lopes lê poemas.
publicado por Raul Coelho às 11:16
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Olhão escolheu a mudança

Olhão, 12 de Outubro de 2009

 Os resultadoslink eleitorais, visto pelos seus números, só dizem que o PS dos 7 lugares na

Câmara tem 4 e tinha 5, com o presidente que é o que já estava, o PSD/CDS/MPT tinha 2 do primeiro, continuam com os mesmos de todos, CDU e PCTP/MRPP não tinham nenhum e com nenhum continuam e o BE de nenhum passou a um.

A partir daqui o que mais se disser passa a interpretação subjectivas, pessoail, onde cada um fá-lo como lhe convém ou nem pensando no que diz.
Os do PS dirão que ganharam, pois lutavam para a maioria absoluta, tiveram a maioria absoluta. Mas, perderam, um lugar, o mesmo que foi para o BE, que também ganharam, aliás os únicos que ganharam todos os votos que tiveram.
A CDU, terá perdido de ganhar, a culpa é do sr. Hondt.
O PSD, ganhou aliados para não perder . . . vereadores.
Todos ganharam alguma coisa, todos perderam alguma coisa.
Se a interpretação dos resultados ficar por aqui, ainda só estamos a ver uma parte da decisão dos eleitores.
Pois eu consigo ver uma grande vitória (deixem passar o cliché) dos cidadãos eleitores no seu desejo de querer transparência e inovação na gestão autárquica, só que ainda não sabem bem em quem.
Foram eleitos 2 vereadores pela oposição, Abúndio Martins e João Pereira, que na campanha eleitoral e nos seus programas proclamaram o seu compromisso com a transparência e maior participação dos munícipes.
Dos vereadores do PS eleitos, um, Carlos Martins, é novo e novo nestas andanças, não sofre suficientemente do contágio da anterior edilidade. Outra de dois, Margarida Leal para além de silenciosamente ter falado pela boca de F. Leal com novas companhias pode desatar a manifestar opinião própria, o António Pina vindo da vereação anterior, sem pelouro, sem acompanhamento diário da vida autárquica vai passar a sê-lo, sob pena de um grande défice da equipa do presidente, vai querer ter um distanciamento, cada vez mais visível do comportamento autista e caciqueiro, impróprio para a geração a que pertence, do Leal, até como sobrevivência política.
A renovação do PS, na vereação, foi a possível para Leal sobreviver, a saída dos monos, João Peres e Mário Gonçalves, a parte visível e sempre pronta a dar a cara de maus vereadores foi para o lixo, os novos sabem que isso lhes acontecerá, e , não vão aceitar servir de capacho a quem já não vai ter continuidade no poder camarário, este é o último mandato possível de F. Leal.
Os outros orgãos autárquicos, Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia, também sofreram recomposições que ainda é muito cedo para falar.
Aos vereadores da oposição e aos novos e menos novos da oposição, se os cidadãos, os olhanenses exigirem a todo o momento com o que prometeram e deixaram implícito, não lhes dando fôlego a entrarem em concubinatos nem deixar que as Sessões de  Câmara funcionem clandestinamente, sem acesso público às Actas e restrições à presença do público.
Eentão os resultados eleitorais dirão muito mais que os simples números.
Nota: propositadamente não me referi ao vereador Alberto Almeida do PSD.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 15:43
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

Olhão desordenado, pode ser ordenado

Olhão, 2 de Outubro de 2009

 

“A política que for seguida em matéria do ordenamento do território molda de forma indelével a sociedade humana nesse território.”
Os PDMs e aqui o de Olhão é o instrumento legal mais importante a que o ordenamento do concelho está sujeito. Está subordinado e adaptado a leis superiores, PROTAL, RAN, REN, Reg. do PNRRF, etc. e tem, ou deveria ter, subordinados as UOPs, os  Planos de Pormenor, as urbanizações, as vias rodoviárias, parques industriais, zonas urbanas de expansão, parques urbanos, etc.
O actual PDM de Olhão é de 1995, é ainda um plano da chamada primeira geração, em Portugal, onde já as preocupações ambientais, as condições de qualidade de vida e a autosustentabilidade são quase só assinaladas mas totalmente subordinadas às redes viárias muradas em altura, ou afogadas por betão armado residencial, em nome da economia em infraestruturas de saneamento. A par de uma permissividade para licenciamento para construções dispersas por razões completamente discriminatórias, que só com a recente revisão do PROTAL acabaram.
Nestas eleições, na corrida para a Câmara, os partidos que se imaginam como sendo a Câmara sua, apresentam uma abordagem num dos seus pontos programáticos, o PDM.
A CDU, não está com meias medidas, arranca já em 2010 com a elaboração de um novo Plano Director, o eng. Leal é mais modesto e vai considerar numa futura revisão a construção de um complexo desportivo e Quartel de Bombeiros.
O PSD, não chega ao PDM, fica-se por ter como uma das prioridades um vago ordenamento, o BE limita-se, meritoriamente, a levantar-se contra a falta de transparência e decisões discricionárias na aplicação pala actual vereação da lei, promete que vai mudar. O MRPP, para além da Municipalização dos Solos não encontro no seu programa outra conexão com  Plano Director.
Neste ponto, primeira questão que deve ser colocada: é necessário já novo Plano Director para Olhão?
Não para já.
A nova Câmara, deve sim é começar por aplicar a actual legislação onde ele foi desviada pela ainda vereação. Rever, iniciando os processos de revisão, com intervenção de consultas públicas ou referendos dos Planos de Pormenor da Quinta de Marim (UOP2), da Zona Poente de Olhão (UOP1), reapreciar com esclarecimento e intervenção publica do PP da Zona Histórica da Cidade de Olhão, etc. e todos os outros grandes zonamentos de construção ainda passíveis de intervenção. Discussão pública de todas essas iniciativas supostamente já iniciadas, como  a chamada Zona Ribeirinha e de intervenção da POLIS da Ria Formosa.
Para um novo PDM, só um estudo aprofundado, com definição de uma política para o concelho, de desenvolvimento e de um Olhão para ao seus habitantes de hoje e no futuro, com participação pública só para mais tarde, defendo-o porque pessoalmente não acredito que os actuais concorrentes sejam capazes de conceber e concretizar um projecto desses.
Talvez para as próximas eleições, com nova geração de políticos, que os actuais estão condicionados pelo caciquismo ocupante da Sebastião Mestre.
 Siglas:
PDM – Plano Director Municipal
UOP – Unidade Operativa de Planeamento
PROTAL – Plano Regional de Ordenamento Algarve
RAN – Reserva Agrícola Nacional
REN – Reserva Ecológica Nacional
PNRRF – Parque Natural da Reserva da Ria Formosa
Programas Eleitorais: PSlink , PSDlink , CDUlink , BElink e  PCTP/MRPPlink

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 17:22
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

O MRPP concorre à Câmara de Olhão

Olhão, 1 de Outubro de 2009

 

O PCTP/MRPP é dos actuais partidos políticos que concorrem às eleições autárquicas o único que pode reivindicar que tinha actividade política no tempo anterior ao 25 de Abril em Olhão.
Nos anos imediatos foi a força política mais actuante e marcante no concelho, o entusiasmo, a juventude dos seus aderentes e membros e o militantismo que davam à divulgação dos seus ideais políticos e à intervenção nas lutas da altura, ficaram conhecidos a nível nacional. Foi o organizador das primeiras e maiores manifestações de massas e comícios de rua em Olhão.
Até hoje concorreu a todas as eleições autárquicas e até hoje ainda não elegeu para a Câmara um único candidato.
Nas últimas legislativas teve, em Olhão, 338 votos, volta a apresentar-se para as autárquicas, só para a Câmara, numa lista encabeçada por João Gamboa e com um programalink 
que é o único, de entre as candidaturas concorrentes, que apresenta os princípios do ideário político ideológico que defende.
O conhecimento, que revela no programa, e soluções para problemas concretos que Olhão enfrenta é . . , . . de quem não conhece a situação, e faz uma adaptação forçada de um esquema geral tipo para a realidade em Olhão.
Não sendo provável que o MRPP venha a figurar no elenco camarário mais uma vez, será desejável que apareça nas discussões públicas e espaços de intervenção política a nível municipal que os outros partidos oposicionistas prometem criar se vierem a ter assento.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 09:47
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

A transparência nas eleições

Olhão, 29 de Setembro de 2009

 

O Somos Olhão! preocupado, pelo menos alguns dos seus membros, com o exercício da cidadania em matéria de verificação da legalidade e transparência relativamente às eleições e em particular ao decurso das votações  abriu um bloglink aberto à participação pública na
véspera da legislativas e logo também aparecem colaborações  e comentários.
18 horas depois, às 24h de domingo,  já tinha 458 visitas e era falado na internet.
Conforme está concebido qualquer pessoa com endereço electrónico e com possibilidade de enviar mails pode fazê-lo onde quer que esteja para somosolhao.eleicoes@blogger.com e o seu texto e imagens no corpo da mensagem é logo publicado.
 Permite assim quem quiser informar a comunidade internauta do que vai encontrando de menos conforme ou lhe levante dúvidas e deixar opinião.
Há que utilizá-lo que a transparência agradece.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 23:00
link | comentar | ver comentários (3) | favorito

Debate com os candidatos à Câmara

Olhão, 29 de Setembro de 2009

É no próximo sábado dia  3 de Outubro que a APOS organizalink um debate entre os candidatos João Pereira (BE), José Castanheira CDU, João Gamboa (PCTP/MRPP) e Eduardo Abúndio (PSD/CDS/PPM/MPT), às 11 horas no Auditório da Esc. Francisco F. Lopes.
Francisco Leal, também é candidato pelo PS, foi convidado como foram os outros que já confirmaram a presença, Leal sempre igual a si próprio não respondeu até agora quanto mais debater.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 18:12
link | comentar | ver comentários (5) | favorito

E agora . . . as autárquicas

Olhão, 29 de Setembro de 2009

 

Porque as legislativas já lá vão com os resultados que sabemos e as consequências que estão para vir.
Transpostos os resultados directamente para as autárquicas e teríamos o Abúndio em presidente de Câmara mais dois vereadores, somando os votoslink dos partidos coligados
 (PSD, CDS, PPM e MPT), o Leal ficava acompanhado por dois vereadores e o Bloco de Esquerda via o João Pereira com cadeira à volta do orçamento camarário. Seria uma hipotética reviravolta, em que as cartas viciadas do baralho eram substituídas, mas por outras do mesmo fabricante.
Claro que estas contas não podem ser levadas a sério, porque isto não funciona assim.
Podemos sim admitir uma tendência influente para uma redução dos votos do PS e um aumento para todos os outros partidos, mas determinante nos resultados será a imagem junto dos eleitores que cada um da dupla candidato/partido tem, e da campanha, divulgação do candidato/programa (promessas eleitorais) vier a fazer até dia 10.
E por isso nada garante que o actual clã caciqueiro reunido à volta do actual presidente da Câmara seja subalternizado, uma coisa é certa, sabe que começa a ter marcação quase homem a homem às bacalhauzadas e beijinhos eleitoralescos à boca das urnas dentro das assembleias de voto.
Até as situações caricatas acontecem, o mandatário de um partido da oposição interpelou Alberto Almeida, candidato ao parlamento, nas bacalhauzadas junto a uma mesa de voto, sobre se também seria mandatário, responde que não, “então rua!”, e lá foi o Alberto, envergonhado.
Acontece é que naquelas eleições, pela lei, os candidatos podem estar presentes.
Mas também revela a ignorância geral em que os partidos têm os seus apaniguados, nestas coisas.

 

por temas:
publicado por Raul Coelho às 16:41
link | comentar | favorito

para acompanhar os novos posts vá ao (novo) Bate Estacas na Blogger aqui

.os autores

.os últimos 10 artigos

. ...

. cidadania - activismo

. ...

. o que podemos esperar est...

. as variantes da 125 em Ol...

. Porta Sim Porta Não

. Ganhos destes e maiores e...

. distribuição da ajuda ali...

. mudei de casa

. água, o que fazemos dela

.a memória do blog

.por temas

. "200 anos"(10)

. "a semana"(3)

. "pinóquio"(27)

. (novo) bate estacas(7)

. ad hoc(30)

. ambiente(3)

. autárquicas2009(11)

. biblioteca(4)

. blog antigo(1)

. cidadania(9)

. história(4)

. museu(4)

. olhao(14)

. património(12)

. requalificação(12)

. ria formosa(3)

. transparência(17)

. urbanismo património(7)

. todas as tags

.pesquisar