para acompanhar os novos posts vá ao (novo) Bate Estacas na Blogger aqui

Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Um património a preservar

Olhão, 7 de Maio de 2008

A indústria conserveira foi, de entre todas as actividades económicas, a que foi mais decisiva para o desenvolvimento de Olhão, nos seus 200 anos de existência.
Mais do que a pesca. Esta só progrediu puxada pelas necessidades de pescado da actividade conserveira.
Depois do núcleo habitacional original de Olhão, a Barreta , toda a expansão urbana (grosso modo) tem a sua génese com a expansão da indústria de conservação de peixe e outras adjacentes, com as mais-valias obtidas pelos empresários e rendimentos dos trabalhadores melhor renumerados a serem aplicadas na construção de casas para moradia propria e arrendamento, em novos arruamentos traçados por despachados presidentes de câmara.
Tempo foi que chegaram a laborar mais de 80 fábricas, em que a mão-de-obra confluía a Olhão, de Cacela a Quarteira.
Bem diferente dos dias de hoje, que por circunstâncias diversas a I. de conservas é quase nula e a actividade piscatória anda a bater os mínimos , com os moradores a saírem diariamente aos milhares para o trabalho noutras localidades e regressarem para a pernoita.
Das antigas fábricas restam uns poucos edifícios em ruínas.
Dessa vida doutros tempos está eminente o desaparecimento dessa memória de labuta e desenvolvimento sem qualquer referência física.
A Câmara que deveria ter o dever e a obrigação de preservar essa memória histórica disse ainda recentemente não.
Quando da consulta pública do plano de pormenor da Quinta de Marim, a CDU e a APOS propuseram o aproveitamento da Fábrica do Carepinha , que ainda está para as curvas como edificação, mais o bairro operário antigo, para que aí se instalasse o Museu da Industria Conserveira, ao que a edilidade sabiamente recusou em troca de mais umas licenças de construção para o local.
Não pode morrer a ideia das propostas. O plano de pormenor como está não tem que inexoravelmente ir para a frente.
Se a Constituição, a lei mater do estado, tem mecanismos para ser alterada, não será a lei do Leal para Marim que é imutável. Basta que haja vontade política para accionar os mecanismos legais para a sua alteração.
Venham edis com essa vontade.
Enquanto tal não acontece é necessário que os materiais do Museu ainda existentes sejam inventariados e protegidos.
Ainda há poucos anos, Luciano Cativo, publicava no jornal do Olhanense matéria documental desses tempos e muita mais haverá nos arquivos de algumas fábricas no Grémio e Sindicato conserveiros.
Dos equipamentos industriais ainda deve haver alguns se por acaso não foram já exportados para a China para fazer lâminas de barbear.
A APOS tem aqui uma palavra a dizer. O que fizer merece o apoio dos olhanenses.
por temas: ,
publicado por Raul Coelho às 08:59
link do post | comentar | favorito
google-site-verification: google607e9867b28dd3d1.html


Raul Coelho

o meu canal de vídeo

para acompanhar os novos posts vá ao (novo) Bate Estacas na Blogger aqui

.os autores

.os últimos 10 artigos

. ...

. cidadania - activismo

. ...

. o que podemos esperar est...

. as variantes da 125 em Ol...

. Porta Sim Porta Não

. Ganhos destes e maiores e...

. distribuição da ajuda ali...

. mudei de casa

. água, o que fazemos dela

.a memória do blog

.por temas

. "200 anos"(10)

. "a semana"(3)

. "pinóquio"(27)

. (novo) bate estacas(7)

. ad hoc(30)

. ambiente(3)

. autárquicas2009(11)

. biblioteca(4)

. blog antigo(1)

. cidadania(9)

. história(4)

. museu(4)

. olhao(14)

. património(12)

. requalificação(12)

. ria formosa(3)

. transparência(17)

. urbanismo património(7)

. todas as tags





Fórum olhão ponto org

 

 

 

 

.pesquisar